Após reforço vacinal, apenas 26 participantes do CovacManaus testaram positivo para Covid-19

Não foram registradas hospitalizações ou óbitos. Todos tiveram formas leves da doença. Dados preliminares do estudo CovacManaus, realizado pela Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) e pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA), demonstram que após três meses da aplicação da dose de reforço, apenas 26 participantes vacinados pela pesquisa apresentaram resultado positivo para Covid-19. Todos tiveram formas leves da doença.

Os números correspondem ao período de 30 de setembro de 2021 a 8 de janeiro deste ano. Não foram registradas hospitalizações ou óbitos pela doença entre os 4.400 participantes que receberam dose de reforço com a vacina AstraZeneca.

De acordo Maria Paula Mourão, médica infectologista e coordenadora da pesquisa, os dados são positivos e reforçam a importância da população completar o esquema vacinal. "Estamos observando um quadro de maior circulação viral em todo o país e também no Estado do Amazonas, mas com importante redução das formas graves da doença. Isso indica que a vacina protege, e protege muito! Lembrando que nossos participantes são pessoas vulneráveis, com comorbidades, e mesmo nessas pessoas observamos uma proteção vacinal muito significativa", destaca a pesquisadora. "É importante lembrar que a vacina não evita a contaminação pelo novo coronavírus. O objetivo é evitar hospitalizações e óbitos, que é o que traz maiores prejuízos econômicos e sociais para a população e governos". Os dados apresentados serão submetidos à publicação científica. As etapas de recrutamento e vacinação estão encerradas. O estudo está em fase de acompanhamento.

Números - Entre aqueles que apresentaram infecção por Covid-19, três foram no mês de novembro de 2021, cinco em dezembro de 2021 e 18 em janeiro deste ano. "A partir de dezembro já esperávamos o aumento de infecções respiratórias devido ao período chuvoso na nossa região; além disso, tivemos a introdução da variante Ômicron, deixando o mundo inteiro em maior suscetibilidade para Covid-19. Nossa equipe está preparada para testar todos os participantes que apresentarem suspeita da doença, basta comparecer à Arena Amadeu Teixeira". As principais comorbidades entre os participantes com Covid-19 foram obesidade (69.2%), hipertensão (15.4%), asma (7.7%), outros (7.7%).

Acompanhamento e testagem - É importante que todos os participantes do CovacManaus, vacinados e não-vacinados, mantenham seus acompanhamentos telefônicos e realizem a coleta de exames, conforme agendamento do call center. Caso apresentem sintomas de Covid-19, os participantes podem realizar teste de swab gratuito, na Arena Amadeu Teixeira, de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h e aos sábados das 7h às 13h, exceto feriados.

CovacManaus2 - O objetivo é avaliar a resposta imune à aplicação de dose de reforço contra a Covid-19 com o imunizante AstraZeneca. Participam da pesquisa trabalhadores da educação e da segurança pública de Manaus, com idade entre 18 e 49 anos, com comorbidades, que foram completamente vacinados pelo estudo CovacManaus e mantiveram acompanhamento regular, conforme o protocolo do projeto. A pesquisa é coordenada pela médica infectologista da FMT-HVD e Pró-reitora de Pesquisa e Pós-graduação da UEA, Maria Paula Mourão e pelo médico infectologista da FMT-HVD e especialista em saúde pública da Fiocruz-Amazônia, Marcus Lacerda.

O estudo conta com financiamento do Governo do Estado, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e das empresas XP Investimentos e Stone Pagamentos; além de parceria com a Fiocruz Amazônia, Fundação de Vigilância em Saúde Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS/RCP) e da Secretaria Municipal de Saúde de Manaus (Semsa).